terça-feira, julho 24, 2007
Amigos...
A minha cabeça a fervilhar. Depois de tanto tempo de silêncio, voltaste e trouxeste inúmeras palavras, palavras que nunca ouvi na tua boca, arrastando consigo todo um passado que em nada foi fácil de superar. Difícil o que quer que seja abalar-me agora, mesmo tu. Nunca me neguei a uma boa conversa, não há medo que chegue para me deter. Revolver o passado, porque não? Desde que não regresses ao meu presente, podes dizer aquilo que te apetecer, podes redimir-te, podes assumir todas as culpas do universo, podes clamar que se tivéssemos feito isto e não aquilo, hoje talvez as coisas fossem bem diferentes. Não me interessa o que poderíamos ter feito de nós. Deixou de me interessar, a duras penas, mas deixou mesmo.

Ainda não consegui decidir se somos dois anões ou dois gigantes num mundo pequenino. Que estranha analogia, penso, e sinto-me contente por estarmos aqui, tão cúmplices um do outro, a conversar animadamente como em tempos fazíamos. Talvez possas regressar ao meu presente, mas de um modo que não me perturbe, de um modo em que consigamos coabitar tão saudavelmente que só nos dá para rir às gargalhadas e o resto do mundo que se volte de costas se não quiser assistir.
terça-feira, junho 26, 2007
Não lhe digas...
Pornográfica, é o que me apetece ser ao evocar o nosso fim-de-semana, pornográfica depois de ter sido quase apontada como sendo virgem, tanto era o meu pudor. O meu (in)consciente não queria que as coisas acontecessem, se precipitassem até ao momento do inevitável, em que mente e corpo cedem a um mesmo pensamento, a uma única vontade. E acabou por acontecer tudo tão espontaneamente, com se fosse a coisa mais natural do mundo, a única plausível de suceder, nada mais que não fosse aquilo faria sentido.
E sempre o medo que ele me volte a fazer sentir. O medo que algo possa correr de forma inesperada e diferente que venha quebrar todas as minhas teorias e convicções. E logo o medo posto de parte, num ápice. Quero viver e viver é senti-lo aqui e agora, a meu lado e dentro de mim. Viver é sentir o suor que escorre pelos nossos corpos. Viver é fumarmos juntos este cigarro enquanto a gata se passeia sobre as nossas pernas nuas. Viver é observar as suas mãos a desbravarem o papel tal como momentos antes desbravavam o meu corpo, ver os desenhos a surgirem como que por magia.
Se calhar até gosto um bocadinho. Mas não lhe digas...
terça-feira, janeiro 09, 2007
O meu demónio
Tanto tempo calada que mesmo estes escassos minutos de diálogo foram revigorantes, esta presença sentada á minha mesa, em frente a mim,a descobrir-me um sorriso.
E estava em jogo a morte, a querer sobrepor-se á vida, a querer arrastá-la para o sítio de onde jamais se retorna. Como contabilizar os instantes em que estiveste como que adormecido, os sentidos suspensos, numa indecisão paralisante, numa luta renhida contra o próprio tempo?Afirmas nada ter sentido, foi como uma pequena morte chegada demasiado cedo, congelou-te para depois te devolver a vida que te quis roubar.
E agora eis-te de novo aqui, tão perto que basta estender um braço para que te possa tocar, tão vivo que quase posso adivinhar-te o bater do coração, tão presente que tremo só de te evocar. Esqueci-me de tudo o que me aflige, esqueci-me do que me trouxe aqui e acabei por ficar muito quieta, com o sorriso que me descobriste, vendo-te atravessar a porta, tão cheio de vida que foi quase como ter-te de novo dentro de mim, quando ambos fechávamos os olhos e nada mais existia.
Agora, a minha boca voltou a selar-se e não o lamento, deixei de sentir medo e por instantes perdi o horror á solidão.
O demónio voltou.
domingo, dezembro 31, 2006
Contraditório
"Sei o que é certo e aprovo, mas escolho o oposto"

Como é possível uma só pessoa provocar tantas e tão distintas sensações. como é possível apetecer-me esventrá-lo e arrancar-lhe as vísceras com as minhas próprias mãos para, no instante seguinte, continuar todo este jogo de gato e rato.
Afinal, o oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença.
quinta-feira, novembro 23, 2006
Tempo
O que fazer quando não há tempo para tudo? O que fazer quando as nossas prioridades já não são o que foram um dia atrás? Desculpa se te estou a deixar para segundo plano! Há tanta coisa a acontecer neste momento que eu não quero deixar de viver. Tanta gente com quem eu não quero deixar de estar para não os perder um dia! Se o fizer sei que me vou arrenpender! Sei que não vais estar aqui para sempre. Nem eu te pediria isso! Não te posso prender mesmo que queiras! Não te quero perder mas por vezes pergunto-me se o nosso tempo já passou! Ou qual será o nosso tempo certo!
posted by *****pincel***** @ 12:59 da tarde |
 
 
terça-feira, outubro 31, 2006
A leveza e o peso
O peso da solidão. Ou será a leveza?
Quando nos sentimos ocos, deveríamos experienciar a leveza. Mas é o peso que predomina. O peso da angústia, do desalento, da frustração.
O peso do vazio.
sexta-feira, março 03, 2006
Voltarei... mas não agora...
Ainda não fui capaz de encontrar as palavras certas, se é que elas existem.
Ainda não me sinto capacitada para transmitir o que quer que seja aos outros, se eu própria duvido da minha capacidade de sentir. Acho que já não sinto nada.

"Será que eu estou trancada aqui dentro?"
little magic stars
pincel
vi
 
arquivos
Março 2004
Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Janeiro 2006 Março 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Junho 2007 Julho 2007
 
anterior
Amigos...
Não lhe digas... O meu demónio Contraditório Tempo A leveza e o peso Voltarei... mas não agora... Espaço "Walk Away" Eu... quem?
 
blogs
Ao Sabor do Incenso...
Rijo
Dias que correm
Polvora Seca
Puros pensamentos
Analfabeto Sexual
Evasões
Minha Alma
Limiana de Gema
The Dark Side
No Words No Pain
Passividades
Perdidas num Orgasmo
Teorias do Caos
Roque in London
O Eixo do Mal
Blogue de Deus
Nilson
Capitão Amendoim
Rita
links
Shalom
Devasso
Amante
Melkor

Dreia
suporte
Blogger
Haloscan
Photobucket